uando Os Lobos Uivam Kindle á uando Os Epub /

uando Os Lobos Uivam Romances Completos de Auilino Ribeiro #17 Serra dos Milhafres finais dos anos 40 O Estado Novo resolve impor aos beirões uma nova lei os terrenos baldios ue sempre tinham sido utilizados para bem comunitário e onde essa comunidade retirava parte vital do seu sustento seriam agora expropriados e esses terrenos utilizados para plantar pinheiros Assim sem mais nem menos o Estado chega e diz ue a partir dauele momento acabou Implanta se um clima de medo nas gentes e é esse clima ue Manuel Louvadeus ue havia emigrado para o Brasil anos antes vem encontrar uando regressa à aldeia Homem vivido e culto devido segundo o próprio aos muitos livros ue por lá havia lido Manuel tem uma visão para os dois lados e um sentido de justiça ue rapidamente o fazem cair nas boas graças das gentes do povo Toma então parte da sua gente homens honestos e humildes ue trabalham de sol a sol mas ue não deixam de viver em condições miseráveis A revolta acaba por suceder e entre mortos e feridos tudo acaba numa caçada aos homens por parte da polícia ue leva muitos homens à prisão acusados de serem instigadores e cérebros da revolta O Estado mostra então todo o seu esplendoroso poder Aui representada está a saga dos beirões na defesa dos terrenos baldios perante a ditadura do Estado Novo


About the Author: Aquilino Ribeiro

Auilino Gomes Ribeiro was a Portuguese writer and diplomat He is considered as one of the great Portuguese novelists of the 20th century He was nominated for the Nobel Literature Prize in 1960Natural son of Joauim Francisco Ribeiro a priest and Mariana do Rosário Gomes he had three older siblings Maria do Rosário Melchior and Joauim Destinated to priesthood Auilino Ribeiro got involv



10 thoughts on “uando Os Lobos Uivam

  1. Paula M. Paula M. says:

    uerem liuidá lo? Acabe se com o sobrevivente genuíno duma estirpe ue emerge da noite dos tempos dotado das ualidades raciais próprias do ibero do celta do lusitano ou galaicoComo lobo ue se ueda no cimo dos picotos e observa atentamente o horizonte alargado Auilino Ribeiro inspira todos os cheiros e cores da serra abarca a geografia das planuras e das montanhas e ouve todos os fios de água corrente Sabe os hábitos dos coelhos e das lebres e a hora da raposa pelos caminhos Conhece a carueja a chamiça a urze e a junça e está atento ao som dos socos serranos pelos caminhos graníticos A sua prosa é uma festa para os sentidos Auilino escreve com genuínas palavras serranas a fibra dos filhos da terra Coloca nos no meio deles e do Diabo ue lhes fareja e persegue o rasto não permitindo ue mudem o rumo ou melhor de condição Magnífico Um livro mais ue perfeito de Auilino Ribeiro


  2. Ana Ana says:

    45 uando os Lobos Uivam retrata a resistência e revolta do povo serrano da zona das Beiras contra o arbítrio do Estado autoritário ue na década de 1940 expropria as zonas de exploração comunitária convertendo as em floresta de pinheiros sob jurisdição estatal Uma medida ue ameaça não só a normal subsistência das gentes serranas mas sobretudo a sua ligação ancestral a um meio natural ue lhes está entranhado e ue molda a sua identidade O livro foi proibido pela censura do Estado Novo por motivos políticos as críticas ao regime ditatorial em especial os tribunais plenários ue o relatório da censura refere serem “focados duma forma infamante” Não obstante o aparente carácter regionalista o alcance desta narrativa acaba por ser bastante mais universal De início estranha se um pouco a linguagem ue usa de modo prolífero vocábulos incomuns muitos deles inexistentes no dicionário diz se ue Auilino fazia uma recolha exaustiva de vocábulos regionais chegando a recompensar monetariamente uem lhe desse a conhecer novas palavras utilizadas regional e localmente Não entendi contudo ue esta particularidade atrapalhasse a leitura ue achei deliciosa Para uem se deleita com a língua portuguesa esta obra é um repasto Manuel Louvadeus dum galão subiu os degraus Em cima no patamar topou a porta fechada e deteve se uando ia para bater como uem toma fôlego Com a breca achava tudo tal e ual Os dez anos de ausência apagaram se como um sopro perante a obsessiva eternidade ue se lhe oferecia ao lance de olhos ue distância anos e anos ue correram na levada do tempo e as coisas conservarem se ali iguaizinhas estáticas teimosas no seu ar de encantamento Talvez mais velhas Sim mais velhas ferradas mais fundo pelos dentes da morte e a despenhar se na voragem como as telhas do beiral p11E a evasão ao uotidiano ue parece ser uma necessidade visceral do homem com a sua carga de deveres obrigações a cada passo atira o para a serra Em suma a psiue do meu serrano precisa de penedos vales reclusos penhascais morros esburgados de vegetação como um cão precisa de ossos Foi deles da sua premente visão ue se lhe formou a cartilagem moral p209


  3. Luís Luís says:

    This work by the great Auilino Ribeiro portrays the struggle of the eaves in defence of vacant lots during the dictatorship of the Estado Novo in the late 1940s and early 1950sHowever it lags far behind classic writers of Portuguese literature such as Camilo Castelo Branco


  4. Rita Rita says:

    Auilino Ribeiro escritor conspirador anti monáruico propagandista republicano e resistente democrata é um dos grandes nomes da literatura portuguesa e repousa desde 2007 com a dignidade merecida no Panteão NacionalA sua vida foi bastante atribulada Depois de vir viver para Lisboa foi preso em 1907 acusado de ataue bombista e anaruismo Fugiu e exilou se em Paris Após a proclamação da República voltou a Portugal mas em 1928 volta a exilar se Foi casado duas vezes e teve um filho de cada relacionamento Aníbal o primogénito e para uem escreveu O Romance da Raposa e Auilino Ribeiro Machado ue foi Presidente da Câmara Municipal de Lisboa entre 1977 e 1979Em 1960 foi proposto para o Prémio Nobel da Literaturauando os Lobos uivam retrata a luta dos beirões em defesa dos terrenos baldios durante a ditadura nos finais dos anos 40 e início dos anos 50 A serra foi dos serranos desde ue o mundo é mundo herdade de pais para filhos uem vier para no la tirar connosco se há de haverA sua publicação em 1958 valeu lhe um mandado de captura e a apreensão de todos os exemplares já vendidos pelo Estado Novo Tornou se um dos livros banidos pelo regime de SalazarTRANSCRIÇÃO do RelatórioCensura Nº 6282 7 de Fevereiro relativo a UANDO OS LOBOS UIVAM DE AUILINO RIBEIRO no blog Ephemera Biblioteca e Aruivo de José Pacheco Pereira «O autor intitula este livro de romance mas com mais propriedade deveria chamar lhe de romance panfletário porue todo ele foi aruitectado para fazer um odioso ataue à actual situação políticaEscrito numa prosa viril classifica o governo de piratas e descreve várias Autoridades Funcionários Polícia Guarda Republicana e Tribunais em termos indignos e insultuososUm interrogatório num posto da GNR e uma audiência dum Tribunal Plenário são focados de uma forma infamantesSão desnecessárias mais citações porue basta folhear o livro encontra se logo matéria censurável em profusãoÉ evidente ue se o original tivesse sido submetido a censura prévia não teria sido autorizado porue é talvez a obra de maior ataue político ue ultimamente tenho lidoSucede porém estou disso certo ue já devem ter sido vendidos muitas centenas de exemplares e muitos outros também já devem ter passado a fronteira por isso deixo ao esclarecido critério de VExa decidir se nesta altura será de boa política mandar apreender o livro fazendo lhe »Com base no Relatório lê se foram tomadas as seguintes decisões«1 Não autorizada a reedição;2 Não permitidas críticas em imprensa;3 Apreender os poucos exemplares ue possivelmente existam »Despacho assinado pelo censorUma curiosidade é ue enuanto em terras lusas o regime tentava amordaçar o escritor no Brasil era publicado um livro chamado uando os lobos julgam a justiça uiva – texto integral da acusação e defesa no processo de Auilino RibeiroAntónio de Oliveira Salazar acabou por reconhecer a mestria de Auilino É um inimigo do Regime Dir lhe á mal de mim; mas não importa é um grande escritorDesengane se uem acha ue é um escritor fácil porue não é A escrita é magnífica a riueza do vocabulário exuberante original e pitoresco lembrou me por vezes Camilo Castelo Branco – cheia de regionalismos e arcaísmos ue dão força à narrativa Para um bicho da cidade como euzinha alguns termos regionais são praticamente impossíveis de entender por isso tive ue socorrer me do Glossário sucinto para melhor compreensão de Auilino Ribeiro Elviro da Rocha Gomes Bendita internet fazes milagres uando mais precisamosTalvez hoje em dia não se dê a devida importância a Auilino mas sem dúvida ue é um dos maiores prosadores da língua portuguesa PS — Obrigada Teresa pelo livro já está prontinho para regressar à base 😉


  5. Iceman Iceman says:

    Publicado em 1958 “uando os Lobos Uivam” é talvez o romance mais conhecido de Auilino Ribeiro e um dos últimos ue escreveu Já anteriormente “marcado” pelo regime salazarista esta obra valeu lhe um mandato de captura e a apreensão de todos os exemplares editadosE o ue faz deste romance algo “digno” de censura e o seu autor “persona non grata” para o regime?Serra dos Milhafres finais dos anos 40 o Estado Novo resolve impor aos beirões uma nove lei Os terrenos baldios ue sempre tinham sido utilizados para bem comunitário e onde essa comunidade retirava parte vital do seu sustento seriam agora “expropriados” e esses terrenos utilizados para plantar pinheiros Assim sem mais nem menos o Estado chega e diz ue a partir dauele momento acabouImplanta se um clima de medo nas gentes e é esse clima ue Manuel Louvadeus ue havia emigrado para o Brasil anos antes vem encontrar uando regressa à aldeiaHomem vivido e culto devido segundo o próprio aos muitos livros ue por lá havia lido Manuel tem uma visão para os dois lados e um sentido de justiça ue rapidamente o fazem cair nas boas graças das gentes do povoToma então parte da sua gente homens honestos e humildes ue trabalham de Sol a Sol mas ue não deixam de viver em condições miseráveisA revolta acaba por suceder e entre mortos e feridos tudo acaba numa caçada aos homens por parte da polícia ue leva muitos homens à prisão acusados de serem instigadores e cérebros da revolta O Estado mostra então todo o seu esplendoroso poderObviamente ue mais de 50 anos após a sua publicação muitos não entendem o poruê da censura no entanto não é necessário grandes pesuisas para entender até porue Auilino Ribeiro é directo não se refugia em metáforas ou alegoriasAui representado está a saga dos beirões na defesa dos terrenos baldios perante a ditadura do Estado NovoRepresentado também ou se uiserem brilhantemente retractado a miséria em ue vivia o povo beirão ue é apenas a mostra da maioria da população portuguesa da altura assim como a sua ignorância ue sobretudo grassava no interior de PortugalÉ normal ue o romance tivesse enfurecido o regime Auilino Ribeiro é demolidor na forma como denuncia a natureza prepotência e arrogância do Estado mas vai mais longe descreve o funcionamento dos Tribunais Plenários fascistas e a ligação do sistema judicial às classes dominantes do país Estes tribunais ue funcionaram de 1945 a 24 Abril 1974 foram um dos mais tenebrosos mecanismos repressivos Auilino denuncia a podridão desse mecanismo e da cumplicidade entre magistrados e polícia políticaAlgo ue me fascinou em Auilino Ribeiro foi a sua escrita Poética a forma como constrói a narrativa utilizando expressões beirãs confesso ue muitas dessas expressões me eram totalmente desconhecidas ue nos situam temporalmente em simultâneo com uma descrição sublime das gentes transmitindo nos a sua humildade e a sua natureza ue no fundo é a natureza a raiz do povo portuguêsEnlevante nas palavras na graça e ironia ue coloca na arte do saber escreverUm livro belíssimo uma pérola da literatura portuguesa um verdadeiro mestre da arte da escritaCompreendo agora porue José Saramago afirmou uando ganhou o Prémio Nobel da Literatura ue se Auilino Ribeiro estivesse vivo seria ele a receber o Nobel


  6. Joana Joana says:

    Livro bem escrito focado num tema importante para a sociedade da época mas ue não me disse muito


  7. Luís Miguel Luís Miguel says:

    Li o logo após “A Selva” de Ferreira de Castro com a fasuia bem alta pelo anterior e por Saramago ue menciona Auilino no discurso de agradecimento do Nobel Do Brasil para Portugal foi também o percurso de Manuel Louvadeus regressado após 10 anos – sem dar notícias há 6 O seu início é fenomenal e para uem prefere a crítica política subtil Auilino Ribeiro começa por manter assim as distâncias No entanto a obra uer se inflamada e pouco depois sabemos personagens e terra enlevados nos meandros constritores da política no Estado Novo ue dizer desta escrita? Por vezes brilhantes outras vezes sou eu ue não apanho a sua inteireza Lamento a falta de imparcialidade – melhor falta de polimento no tratamento político dos intervenientes parece me ue Auilino Ribeiro e Oliveira Salazar eram duas forças contrárias de igual carácter impondo se nesse sentido uma visão mais honesta em certos pontos do livro Essa “ferrugem” acaba por acusar a sua idade todavia sem o comprometer Começa e acaba em génio absolutoO Lobo uiva com fome de alimento para o corpo e alma Olhando o no seu todo fica o desaparecimento do idealista a vitória do poder instituído não sem embaraço e do indivíduo desligado do progresso social cujos herdeiros estão condenados a lutar com os animais pelo seu lugar A linguagem magistral deste autor é a sua maior herança e merece lugar nobre na literatura portuguesa


  8. Afonso Afonso says:

    São dois os citaçoes de escritores e personalidades portuguesas do seculo xx ue me chamaram a atenção para Auilino Ribeiro citadas nas abas deste livroO primeiro suscitou me imediatamente a curiosidade antes de ler o livro É o testemunho de Salazar em reconhecimento do talento de Auilino Ribeiro enuanto escritor apesar de tão fortemente este criticar o Estado Novo isto em 1958 O primeiro pensamento ue tive foi algo do genero uão bom tem de ser um escritor ue combatia tão fortemente o Regime Fascista e o expressava nas suas obras para o proprio Salazar reconhecer o seu talento apesar das criticas sagazes à Ditadura? Fiuei curiosoComece o seu inuerito por Auilino E um inimigo do regime Dir lhe á mal de mim mas não importa é um grande escritor Antonio de Oliveira SalazarA segunda citação ue mais me chamou a atençao entre as muitas ue se leem nas abas do livro é de Vitorino Nemésio ue tão bem capta de forma figurada a prosa de Auilino agora ue o acabei de ler este livroA força plastica e musical do mundo auiliano é admiravel A serra portuguesa a aldeia patriarcal o rebanho transumante vivem nos seus livros como a vida flamenga e holandesa nos uadros dos grandes pintores dos Paises Baixos Vitorino NemésioFoi bom de se ler


  9. Sacha Sacha says:

    uando os Lobos Uivam de Auilino Ribeiro foi um livro proibido durante o Regime Salazarista pelo seu caráter crítico e frontal Atualmente é uma obra aclamada e por essa razão foi a minha escolha para o Contrato de LeituraCom esta obra o escritor expôs o modo de vida do Interior do país nas áreas rurais e como estas eram afetadas pela negligência e superioridade do Estado A história centra se em Manuel Louvadeus um emigrante retornado do Brasil Manuel é oriundo de uma peuena aldeia perto da Serra dos Milhafres e no seu regresso depara se com uma situação ue disturba o povo o Estado ordenou um plano de arborização à Serra dos Milhafres É desta forma ue surge o conflito da história O caos é semeado pelos serranos dependentes do sustento da serra já miseráveis devido aos impostos Apesar dos protestos dos serranos o Estado não vacila e avança com as máuinas para a desflorestação da serra Sem outra opção os serranos revoltam se num confronto violento para fazerem valer os seus direitosEsta sucessão de eventos é utilizada por Auilo Ribeiro como meio de criticar a actuação do Estado considerando o prepotente opressor e utilizador de meios violentos para atingir os seus fins A Policia a Guarda Republicana os funcionários públicos e os Tribunais são outros organismos criticados no livro uando os presos da revolta são julgados é clara a injustiça e a corrupção sendo ue todos os arguidos são sentenciados incluindo Manuel Louvadeus ue era inocente Existe uma outra faceta do livro na ual o escritor expressa o modo de vida dos emigrantes portugueses no Brasil Em analepse é contada a aventura de Manuel por Mato Grosso onde teve de trabalhar no duro enuanto garimpeiro Aí fez uma secreta fortuna em pedras preciosas ue lhe foram roubadas Embora tenha morto o ladrão um amigo português não sabe onde este escondeu a fortuna Ao longo de todo o livro a grande ânsia de Manuel é regressar ao Brasil e encontrar a sua fortuna para ue depois com ue ela posso cumprir o seu desejo de modernizar a aldeia Este é outro elemento crítico do livro O Estado modernizava cidades como Lisboa e Estoril mas as aldeias do Interior careciam do básico como electricidade ou escolas uando os Lobos Uivam conseguiu ser uma leitura surpreendente Durante a leitura encarei algumas dificuldades com a escrita apresentada O escritor utiliza termos rurais “abrasileirados” e arcaicos Há períodos de narração extensa ue conseguiram ser um pouco desanimadores mas no fim fiuei contente por ter decidido ler este livro O ue mais gostei foi sem dúvida a índole crítica e revolucionária do livro É uma obra marcante Auilo Ribeiro neste livro transmitiu convincentemente a luta do povo português Ao terminar a leitura fiuei com a sensação de ue a justiça social era feita pelas palavras deste mestre da literatura portuguesa Admirei me com a coragem de Auilo Ribeiro ao publicar uma obra ue sabia ser censurada Mesmo assim é lhe prestado valor por Salazar ue sobre ele diz “É um inimigo do regime Dir lhe á mal de mim mas não importa é um grande escritor” Sem dúvida uma leitura ue recomendo


  10. Pedro Rodrigues Pedro Rodrigues says:

    Texto publicado no meu blog recta final da sua vida Auilino Ribeiro publicou em 1958 auele ue é provavelmente o seu romance mais conhecido uando os Lobos Uivam Dono de uma personalidade e de uma escrita naturalmente insurrectas Auilino Ribeiro conheceu intimamente os agravos impostos por um regime do ual foi sempre opositor o Estado Novo Como é evidente a liberdade ue exala das páginas deste livro não passou despercebida ao crivo da censura uma vez ue e agora cito o censor o autor intitula este livro de romance mas com mais propriedade deveria chamar lhe de romance panfletário porue todo ele foi aruitectado para fazer um odioso ataue à actual situação política uando os Lobos Uivam é uma obra ue no meu entender sumariza como poucas as características essenciais do século XX português Nele encontramos a denúncia feita ao Estado enuanto instituição opressiva e repressiva incapaz de facultar aos cidadãos ue tutela os direitos liberdades e garantias próprios de um Estado democrático; na linha da corrente neo realista Auilino refere incansavelmente as misérias materiais intelectuais e espirituais presentes nas comunidades rurais; a eterna condição de potencial emigrante do povo português algo particularmente evidente ao longo da ditadura de Salazar; a eterna oposição entre o mundo urbano e o mundo rural Apesar do evidente enfoue na situação socio política do Portugal de então seria redutor reduzir este livro a um mero documento de combate político Está muito para lá da uestão política No meu entender o centro narrativo deste romance é desenvolvido tendo sempre como suporte a ideia de ue o mundo rural pelo menos tal como Auilino o conhecera caminhava inexoravelmente para uma desintegração impiedosa Auilino sabia perfeitamente ue o mundo rural se encontrava num impasse existencial insolúvel dadas as pressões provenientes de uma economia crescentemente globalizada eficiente e sofisticada e do irresistível pulsar de vida dos centros urbanos O enredo de uando os Lobos Uivam é tecido em torno desta ideia de fim do mundo rural nomeadamente através da representação de uma disputa aguerrida entre o povo beirão e a ditadura do Estado Novo durante a década de 40 conflito esse ue surge devido a um projecto de arborização plantação de um pinhal de terrenos baldios na Serra dos Milhafres local através do ual os beirões retiravam o seu sustento À medida ue a narrativa vai ganhando forma constatamos ue o ocaso do mundo rural é abordado pelo autor de um modo bastante ambivalente Se por um lado nos é dito ue a vida na serra enreda o aldeão numa existência agreste desesperada e infinitamente miserável por outro lado não é menos verdade ue a relação simbiótica entre o homem e a sua serra é tão profunda ue seria absurdo ignorar o apego ue este nutre pela paisagens ue povoam uotidianamente o seu olhar Segundo Auilino existe aui uma vertente ue transpõe ualuer análise de carácter objectivo ou racional Não podemos compreender as razões ue motivam alguém a amar a fonte da sua miséria pois não estamos num terreno propício ao florescimento da razão e da objectividade A relação filial ue os habitantes de uma comunidade rural estabelecem com as suas terras diz nos Auilino Ribeiro é responsável por uma das maiores dádivas ue lhes podem ser dadas uma identidade Sem a serra isto é alterando a geomorfologia da serra o serrano fica exposto aos uatro ventos completamente desnudado incapaz de saber uem é Numa passagem assaz significativa para a compreensão deste romance bem como do pensamento de Auilino lemos o seguinte Os senhores propõem se cobrir os penhascos de arvoredo remover o cascalho dos oiteiros atulhar as ravinas e os barrancos Vão destruir o retrato da família Auilo é o retrato da família serrana A sua fisionomia vem lhe dali E ue mal? estou a ouvir dizer ali ao senhor Streit O mal é ue o serrano nunca mais sabe uem é Fica desgarrado Passa a andar a monte A ser alma penada Os penhascos são a âncora do seu próprio sentimento uerem no esvaziar uerem lhe lavar o cérebro como agora se diz pois tirem lhe a serra e onde só havia rocha espanto miragem plantem o arvoredo e terão feito outro homem Evidentemente ue pior Ouço dizer ue a máuina humana tem milhares de anos Terá Pois desmontá la convertê la noutra é tarefa perigosa Houve um tempo em ue Auilino Ribeiro era considerado um dos grandes nomes da literatura portuguesa Hoje em dia está um pouco esuecido tal como o Portugal retratado por ele A linguagem utilizada por Auilino é utilizando o título de um livro de Eugénio de Andrade rente ao dizer ou seja a proximidade da fala do povo da Beira e da linguagem de Auilino é muito grande estando recheada de arcaísmos e de regionalismos o ue contribui seguramente para ue muitos leitores se afastem Entrar no mundo de Auilino não é fácil dizem alguns Mas ual é o escritor cuja obra valha a pena ser lida ue é fácil?


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *